Início > Informática, Musica > Como ripar e limpar o áudio de discos de vinil, fitas cassete e VHS

Como ripar e limpar o áudio de discos de vinil, fitas cassete e VHS

ão é preciso se desfazer da sua coleção antiga de áudio, trata-se apenas de uma cópia remasterizada compatível com os formatos digitais. Assim não é preciso desenterrar seus discos só para ouvir sua música favorita.

Capturar o áudio é simples, mas exige uma série de cuidados que, caso não sejam respeitados, comprometem o resultado. Vamos ilustrar passo a passo tudo que precisa ser feito para garantir a qualidade máxima na captura. Finalmente, confira uma série de dicas para a redução de ruídos e valorização do áudio.

A melhor parte é que não é preciso ter um profundo conhecimento na edição de áudio, qualquer usuário realiza a tarefa com perfeição. Já quem possui alguma afinidade na área poderá aplicá-los para amplificar a qualidade final das músicas.

Pré-requisitos

Audacity, editor de áudio. Além de efetuar a captura do áudio, ele oferece todas as ferramentas que precisamos para remasterizar as faixas. Além do mais, Audacity é completamente gratuito e compatível com sistemas operacionais Windows, MacLinux.

Aparelho para a reprodução. Um toca-discos de vinil, toca-fitas cassete ou videocassete é essencial para o processo. Embora você possa utilizar suas fitas VHS, hoje trataremos apenas do áudio delas. Para a conversão de vídeos em formatos digitais, acesse o artigo Como converter vídeos de fitas VHS para DVD.

Placa de som. Qualquer placa com entrada para microfone.

Cabo RCA/P2 stéreo

Cabos P2/P2 stéreo ou P2/RCA stéreo. Depende da conexão que estiver efetuando, enquanto toca-discos e tocadores de fitas cassetes possuem saída para fone de ouvido (plug P2), videocassetes trabalham apenas com saídas RCA. Os cabos podem ser encontrados em qualquer loja de equipamentos para áudio e vídeo ou de componentes eletrônicos.

Cabo P2/P2

Como ligar os cabos?

Caso o aparelho que você utilize possua apenas a saída de áudio RCA, conecte as pontas coloridas do cabo RCA/P2 de acordo com as cores:

Já se o rádio em questão possui uma saída dedicada aos fones de ouvido (P2), basta conectar qualquer uma das pontas do cabo P2/P2 à saída:

A ponta oposta deve ser conectada à entrada de microfone da placa de som do computador, normalmente o plug rosa. Também é possível utilizar a entrada frontal de áudio, caso seu computador possua uma:

Ajustes finais

Após ligar o aparelho ao seu computador, instale o Audacity e escolha a entrada de áudio stéreo. Para tal, clique em “Editar” e em seguida em “Preferências”. Dentro da aba “Dispositivos”, aplique a opção “2 canais (Estéreo)” na seção “Gravação”.

Em seguida, clique na opção “Gravar” do Audacity e efetue alguns testes para assegurar que a captação está correta. Comece sempre com um volume baixo no aparelho e suba gradativamente até que as ondas se encaixem ao gráfico.

ATENÇÃO: nunca utilize um amplificador antes de levar o áudio ao computador. Além de ocasionar uma grande distorção, a amplificação excessiva pode danificar a placa de som e demais componentes do computador.

Esta também é uma boa hora de certificar que tudo está certo com seu aparelho de som. Verifique a integridade da agulha do toca-discos e considere fazer uma limpeza nos cabeçotes do videocassete ou no toca-fitas. Lembre-se: tudo influencia na qualidade final do arquivo.

Faça você mesmo

Feitos os ajustes, clique em “Gravar” e grave toda a extensão do disco ou fita que você quer converter em uma única faixa. Desse modo se torna mais fácil limpar todas as músicas de uma só vez. Não se preocupe em efetuar cortes nos intervalos entre as faixas, eles ajudam na redução de ruídos.

É provável que você descarte as primeiras tentativas até adequar o volume do aparelho. Assim como nos testes, altere o volume até encaixar as ondas sonoras nos limites do editor como no exemplo abaixo:

1: o volume do aparelho está muito baixo, a qualidade final será prejudicada.

2: o volume do aparelho está muito alta, o que distorce a faixa.

3: o volume do aparelho está ideal.

OBS: videocassetes e rádios com saída RCA não podem ter seu volume alterado dessa forma.

Gravações analógicas são feitas em tempo real, ou seja, é preciso aguardar toda a extensão da faixa ou do disco até que o processo seja concluído. O melhor a fazer é deixar o computador em paz e aguardar pacientemente até o final do processo.

O resultado final é similar à imagem acima. Mas antes de repartir a gravação em faixas, vamos limpar o áudio aplicando uma série de efeitos. Antes de aplicá-los, selecione toda a extensão da faixa.

Remasteurização

O primeiro efeito que aplicaremos é o filtro de frequências (High Pass Filter). Reduzir a intensidade das frequências muito baixas diminui a distorção da faixa em pontos críticos. Dentro do menu efeitos “Efeitos”, escolha a opção “High Pass Filter” e selecione as preferências abaixo:

Contudo, o filtro de frequências implica em uma redução no volume total da faixa. Repare como as ondas sonoras agora estão menores que antes:

Para compensar a redução, vamos aplicar agora uma amplificação na faixa. Dentro de “Efeitos”, selecione “Amplificar”. Ao invés de se basear nos dados da imagem acima, selecione o “Novo pico de amplitude” para 0,0 (padrão do efeito). Isso faz com que as ondas sejam amplificadas ao máximo sem sofrer distorção.

Redução de ruídos

Ruídos de gravação são comuns em dispositivos analógicos, sobretudo em discos de vinil. Felizmente, o Audacity possui uma ferramenta dedicada a reduzi-los. Dê um zoom na faixa e localize algum trecho de silêncio antes ou entre as músicas. Com o mouse, selecione apenas a porção de silêncio.

Em seguida, escolha a opção “Remover ruído” dentro de “Efeitos” e clique em “Perceber perfil de ruído”.

Selecione então toda a faixa e retorne à opção “Remover ruído”. Desta vez, clique apenas em “OK” com as preferências padrão (as mesmas da imagem acima). Caso possível, repita o processo utilizando outros instantes de silêncio entre as músicas. Quanto maior o tempo de ruído que for detectado, mais limpo será o áudio final.

Após a redução de ruídos, vamos aplicar a redução de “cliques” – como são conhecidos os chiados das gravações analógicas. A ferramenta “Remoção de cliques” se encarrega de amenizar os picos inesperados e as quedas abruptas na faixa:

Preferencialmente, aplique as mesmas especificações da imagem acima. Vale lembrar que a sensibilidade excessiva da ferramenta compromete a faixa.

Equalização

Depois de aplicar tantos efeitos sobre a faixa, é comum que sua equalização tenha se descaracterizado. Aproveite para dar uma revitalizada em sua música com o efeito “Equalização”.

Caso não tenha muito conhecimento sobre equalização, experimente os aspectos padrões do Audacity.

Finalizando o processo

Depois de todo o tratamento, é chegada a hora de repartir as faixas que você tratou em diferentes arquivos. Basta selecionar a extensão de cada música com o mouse, se precisar, conte com a ferramenta de zoom e com o marcador de seleção do editor para maior precisão.

Copie então a seleção com o comando Ctrl + C e abra um novo arquivo em branco clicando em “Ficheiro” e depois “Novo”. Basta então colar a seleção anterior com o comando Ctrl + V.

O comando “Salvar” do Audacity se refere ao projeto e não a um formato de áudio propriamente dito. Clique em “Exportar” dentro de “Ficheiros” e escolha o formato do arquivo de áudio (WAVE, OGG, FLAC e MP3 entre outros). Vale lembrar que você precisa ter o codec lame_enc.dll em seu computador para exportar no formato MP3.

O resultado depende de diversos fatores, mas sobretudo da qualidade da gravação original. É preciso levar em conta as limitações do programa para gravações comprometidas pelo tempo e pelas más condições. Em casos extremos, o processo ajuda a recuperá-las, mas jamais retornarão sua qualidade original.

As músicas ripadas de seus discos de vinil, fitas cassete ou VHS podem ser gravadas em um CD de áudio e utilizadas em seu player portátil, porém, são exclusivas para seu uso próprio. Mesmo após o processo, compartilhá-las implica na quebra de direitos autorais.

Anúncios
  1. 05/01/2011 às 18:39

    Gostei da dica! Agora tenho meus Discos do Elivis em MP3…Agora posso deixa-los guardados na coleção sem perigo de danifica-los, e o som ficou ótimo!
    Obrigado.

  2. 05/01/2011 às 18:40

    :
    Gostei da dica! Agora tenho meus Discos do Elivis em MP3…Agora posso deixa-los guardados na coleção sem perigo de danifica-los, e o som ficou ótimo!
    Obrigado.

    Quis dizer Elvis rsrs

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: